Sábado, 11 de Julho de 2009

Meu Orixá


Meu Orixá
Estou aqui. peço perdão por não estar sempre ao seu lado, de- me seu brilho, ajude minha compreensão, não tenho muito pra dar, somente o amor que trago no peito, seus rumos são diversos, minha paz esta em sua caminhada, em seu eterno sentimento,
Minhas mãos são guiadas por ti, meus pés são os seus passos, meu sonho é muito te compreender, minha paz é seu acalanto, minha duvida é ser seu filho com seu consentimento, caminhar com sua espada a minha frente, pisar os verdes campos
Com sabedoria, cavalgar em seu cavalo com segurança, guiar em seus mares com serenidade, como as ondas do outono, caídas sobre os leitos dos rios adormecidas em suas margens, como as pedras duras dos meus caminhos, que transformam-se em pequenas perolas ao canto das sereias, como a flecha certeira fincada em meu peito
Como a cura da doença da carne de um velho solitário, que somente procura retirar os sofrimentos, como os sorrisos das crianças enfileiradas cantando e brincando alegremente, repousando-as no manto azul de uma santa senhora, confuso é não entender tudo isso, procurar com olhos aonde não se encontra nada, ver em nossa volta um todo perfeito na imensidão da fé, nas palavras e nos cantos iniciados, nos choros de olhos lacrimejados e mãos tremulas com cheiro de tabaco, cachimbo de fumaça com pureza de sentimentos, cocar de cores com vibrantes volumes de mandingas aperfeiçoadas ao bem das pessoas, chicote certeiro e laço arrebatador de impurezas das almas, montaria cruel aos encalços dos perigos em nossa estrada.
Caçador de Juremas embrenhadas nas matas da compaixão e amor as criaturas, canto das raças sofridas em desalento as palavras rudes dos patrões cruéis, repousar nas sombras da cor negra, das encruzilhadas e dos caminhos dos mistérios, na guarda das calungas e nas chegadas das almas sofridas.
Merecido amor naquele com seus braços estendidos com se pedissem para eu toca-los, Qual brancura alva cobre suas vestes, claro como o amor contido, pureza dos seus atos, em nome ate daqueles que não tem muita fé ou também aquele que nunca a teve.
Não comanda com ar de chefe, sua humildade é tamanha que basta seus ensinamentos para reverenciarmos aquele que com seu sangue derramado lavou nossas almas dos pecados terrenos.
Por tudo isso eu canto, acerto o passo, acendo uma vela giro em torno do defumador, sempre um pouca a cada dia, para estar perto de todos vocês meus queridos Orixás.

Emidio de Ogum
publicado por espadadeogum às 19:18
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Filhos de Ogum em 2015

. Oração para Ogum regente ...

. Simpatias para o ano novo...

. Tatuagem de caveira

. Previsões para 2015 Orixá...

. Tata Caveira

. Pai Nosso em Aramaico

. Água e a espiritualidade ...

. Oya Tempo

. Linha do Oriente na Umban...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds