Sexta-feira, 18 de Setembro de 2009

Caboclos da Umbanda


Umbanda, religião e ciência, absorção das vibrações cósmicas que atuam sobre a natureza. Congregação de Entidades que se apresentam em formas diversas, espargindo o bem, a necessária ajuda ao ser humano. Dentre os Protetores que se agrupam em Falanges, uma se destaca notadamente pela pujança, vigor e por que não dizer, pela presteza com que se apresenta auxílio aos necessitados: a Falange dos Caboclos.
Originariamente, a palavra caboclo significa mestiço de branco com índio, mas, em nossa percepção umbandista, nos referimos aos indígenas que em épocas remotas habitaram diversas partes de nosso planeta, numa civilização aparentemente primitiva, mas na realidade de grande sabedoria. Remontando ao passado, verificamos que tudo começou no dia 12 de outubro de 1942, quando Cristóvão Colombo chegou a Ilha de São Salvador e lá encontrando seus habitantes, deu lhes o nome de “índios”. Daquele momento até a presente data, muitas coisas aconteceram, desde a catequização iniciada naquela oportunidade, principalmente com as tribos TAINOS E ARAWAK, cujos alguns elementos foram levados para a Espanha, até meados do século passado, quando se processaram dentro do Espiritismo as primeiras manifestações espirituais, atribuídas por diversos autores a índios pele-vermelha que ainda num primitivismo procuraram uma comunicação, através de pancadas e ruídos, até então não identificados, Todavia, foi no Brasil que estes espíritos indígenas, de diferentes posições geográficas, encontraram, dentro de uma Espiritualidade, a verdadeira oportunidade de evoluírem, cada vez mais, através do auxílio prestado a nós, seres carentes de ajuda. No Brasil sim, porque é em nosso País que se pratica a Religião do século XXI, ou seja, a Religião do Futuro, a Umbanda. Todos sabemos que a Umbanda tem a sua origem nos cultos afros trazidos para o nosso continente, principalmente pelos escravos que aqui aportaram. Todavia, nestes mesmos “cultos afros” não encontramos a presença dos Caboclos e Preto Velhos, Falanges de Espíritos que somente se apresentaram e se incorporaram como parte importantíssima à Umbanda. Portanto, Caboclos e Pretos Velhos fazem parte da “Umbanda Brasileira”.
Nos Templos Umbandistas, nos Centros, nos Terreiros, a caridade praticada pelas Falanges acima citadas é incomensurável. É de se salientar, porém, que a Umbanda, Religião e Ciência, é praticada somente no Brasil e, assim sendo, agrupou espíritos que, embora em suas encarnações tenham vivido em outros países, espiritualmente se identificam perfeitamente na vibração, no modo de vida quando encarnados. Assim, nas Falanges diversas de Caboclos encontramos não só os índios que habitam o nosso Brasil, mas também os que viveram nos Estados Unidos da América do Norte, os Astecas e Maias na América Central, os Incas no Peru, e demais indígenas que povoaram a América do Sul.
Falar se em Caboclo, na Umbanda, é fazer se menção a todos eles, que com denominações diversas, atuam em nossos Terreiros e que, com humildade, como muito bem recomenda a Espiritualidade, se omitem em detalhes referentes às suas vidas quando encarnados, deixando nos ávidos por conhecermos seus feitos, surpreendendo nos, muitas vezes, por captarmos entre linhas que, aquele humilde caboclo que hoje se apresenta até nós, tenha sido um Cacique de grande porte ou pagé praticante de uma alquimia, que nada fica devendo à química moderna, iremos nos reportar a diversas tribos que existiram e desapareceram num confronto com a evolução dos tempos, com o mundo moderno do homem branco, procurando analisar, dentro das limitações, a presença desses espíritos, hoje, em nossa Umbanda.

Emidio de Ogum
publicado por espadadeogum às 07:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Filhos de Ogum em 2015

. Oração para Ogum regente ...

. Simpatias para o ano novo...

. Tatuagem de caveira

. Previsões para 2015 Orixá...

. Tata Caveira

. Pai Nosso em Aramaico

. Água e a espiritualidade ...

. Oya Tempo

. Linha do Oriente na Umban...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds