Quinta-feira, 11 de Março de 2010

...


VIAGEM À ARUANDA



Olá irmãos
Que a paz de Oxalá esteja com todos
Muito bem, vamos falar sobre  Xangô, e para não ficar cansativo, a postagem de hoje énão e´sobre este Orixá, é um texto de autoria do meu filho Leo Del Pezzo que chama-se "Viagem à Aruanda", este texto mostra-nos que não devemos banalizar o mundo espiritual, isso acontece com muito umbandistas de carreira, eu mesmo apenas com cinco anos, ás vezes vou pro terreiro e recebo a entidade automaticamente, e ás vezes nem damos o valor direito ao mundo espiritual. Ao vermos algum iniciante nos caminhos vemos a sua dedicação e eu acho muito válido este verdadeiro reconhecimento ao mundo espiritual. Bem leiam e se puderem comentar, é o primeiro texto que posto de autoria minha, apesar de ser ciente de que nada fazemos sem que o espiritual nos auxilie.

Viagem à Aruanda

Numa noite bem estranha, onde nem a lua se fazia presente, estava pensando porque eu sofria tanto. Quantas pessoas queriam meu mal, e ninguém me ajudava.
Quando adormeci me vi num lugar muito estranho onde havia muitas casas bem simples, num vilarejo,vi bondosos pretos-velhos com marcas cansadas no rosto que se arrumavam, pegam seus cachimbos, um toco de pemba na mão e suas bengalas cheias de contas. Todos aliá tinham uma compaixão no olhar que eu ali admirava.
Andando mais um pouco ali perto vi uma cruz enorme onde o Grande Omulu habitava, sua energia era tão grande que me cegava, ele rodava e faíscas caiam sobre mim, vi se aproximarem dele vários Exus que cabeça, esses vinham com suas espadas prontas para agir.
Sai daquele local com uma sensação muito boa e ao mesmo tempo com receio do que ali presenciara. 
A poucos metros dali vi uma senhora bem idosa com vestes roxas numa lagoa era Nana Buruque, que também chamava outras senhoras parecidas como aquelas que eu vi naquele vilarejo.
Andando mais a frente vi um grande castelo, guardado por vários soldados de várias épocas e nações todos se arrumavam com espadas, lanças e escudos, junto a eles boiadeiros também ali estavam a mando do dono daquele castelo. No alto da muralha avistei um trono onde um nobre cavaleiro se postava, Senhor Ogum era o cavaleiro mais belo que já vi, sua bondade e força tomavam conta do ambiente.
Continuando esta viagem embrenhei-me numa mata muita densa nela viviam milhares de caboclos que ao ouvirem um longo silvo correram para atender. No alto da copa de uma árvore vi um grande Cacique com um capacete dourado nas mãos, ajoelhei-me ao notar que era Oxossí este sem dizer uma só palavra apenas em pensamento ordenava que todos seus subordinados se preparassem, se apossassem de suas flechas e bodoques. Sai daquele lugar assustado, pois me intrigava o que estava acontecendo.
Antes de sai da mata avistei uma frondosa cachoeira onde a água era a mais límpida e brilhante que alguém pudesse ver. Mamãe Oxum estava com um grande manto e conversando com legiões de caboclas que habitavam aquele local. Enquanto suas aliadas se preparavam pegando suas flechas aquela dona, que a mim parecia à mulher mais linda do mundo cantava e de seu canto irradiava amor.
A cima da cachoeira eu vi uma enorme pedreira onde os raios tocavam o chão, muito curioso aproximei-me e vi num trono de pedra Xangô em meio a livros conversava com grandes caciques junto com Iansã que preparava seus raios direcionando-os aquele que o grande Xangô falava que era seu destino.
Descendo aquela montanha deparei-me com espíritos armados com tridentes eram os exus que estavam ali a mando do senhor da justiça.
Estava alegre de conhecer os Orixás e ao mesmo tempo com medo, pois pensava que guerra era aquela que viria, pois todos pareciam se preparar para uma batalha.
Mais a frente, comecei a ouvir algumas risadas, fui andando ao encontro delas e notei vários homens vestidos de branco com colares azuis, estes pegavam suas adagas e corriam de encontro ao mar. O mar era azul e as ondas brancas refletiam a luz do astro rei. Num coral vi uma senhora que irradiava luz quase não conseguia fita-la, mas notei que era Nossa mãe Iemanjá, que com um lindo sorriso conversava com seus imediatos. Ao redor deles brincavam inúmeras crianças que vinham junto com Cosme e Damião essas vinham trazendo a inocência e o amor nas mãos.
Fiquei um bom tempo ali admirando a beleza da Aruanda, o mar, a mata, a cachoeira, as pedreiras, o castelo, o vilarejo, o cruzeiro e a lagoa enfim a natureza. Sentia uma paz enorme quando meus pensamentos foram interrompidos por um espírito de vestes amarelas com um sotaque oriental.
Gostou filho do que viu? Perguntou-me o espírito.
Respondi que nunca tinha pensado quanto era belo os Orixás e perguntei onde estaria o Rei de todos eles, nosso pai Oxalá. Este me respondeu:
-Ai! E apontou para o meu coração-A morada de Deus é no coração dos homens, ali habita Oxalá.
Comecei a chorar quão a profundidade do que aquele espírito me contara. Então perguntei que batalha era aquela que todos se preparavam. E o Espírito disse-me:
- Filho meu as entidades não se preparam para batalha nenhuma, todos se preparam para o raiar do dia na terra, pois todo dia vocês humanos tem uma batalha pela frente. E nós estamos aqui para ajudar e proteger vocês dos perigos da vida. Entenda filho você nunca está sozinho, mesmo não nos vendo saiba que andamos ao lado de todos vocês.
Acordei assustado, pois me impressionara o que vi , fui olhar o céu e vi que mesmo não vendo a lua, ela estava presente me iluminando.

-Autor Léo Del Pezzo


Axé a todos Irmãos de Fé
Emidio de Ogum
http://espadadeogum.blogspot.com
tags:
publicado por espadadeogum às 20:06
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Filhos de Ogum em 2015

. Oração para Ogum regente ...

. Simpatias para o ano novo...

. Tatuagem de caveira

. Previsões para 2015 Orixá...

. Tata Caveira

. Pai Nosso em Aramaico

. Água e a espiritualidade ...

. Oya Tempo

. Linha do Oriente na Umban...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds